Tel: 47 3368.4756 / 3368.4412

WhatsApp: 47 99215-0479

secretaria@atlanticoeducacional.com.br

Rua 260A nº388

Meia Praia

Itapema-SC

whatsapp-colégio-atlântico

Esfriou, vacine as crianças contra gripe!

31/05/2019

Quando as temperaturas começam a cair, a gripe chega sem dó e pega todo mundo, especialmente os pequenos. Você já vacinou os seus filhos? Lembre-se que crianças até 6 anos são consideradas um dos grupos prioritários pelo Ministério da Saúde (MS) e precisam ser imunizadas. A 21ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza encerra e, a partir de 3/6, a vacina será disponibilizada para toda a população. Este ano, apenas 78% do público-alvo tomou a vacina até a véspera do encerramento da campanha, o que preocupa.  

 

As crianças, assim como pessoas acima dos 60 anos, grávidas, portadores de doenças cardíacas e crônicas, entre outros, são consideradas grupos prioritários por recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), porque têm mais chances de ter complicações e até morrer em decorrência da enfermidade.

 

A gripe é uma infecção viral que afeta especialmente as vias aéreas e o pulmão. Para contraí-la, basta entrar em contato com secreções de pessoas infectadas. Após um espirro ou um beijo, o vírus Influenza se adere às células do aparelho respiratório do novo hospedeiro e passa a se multiplicar em alta velocidade.

 

Para responder ao ataque, o organismo aumenta a produção de muco e a temperatura corporal — daí vem a coriza e a febre. Como a gripe também provoca uma leve inflamação nos músculos, o corpo tende a ficar dolorido. Principalmente em pessoas com o sistema imunológico fragilizado, como as crianças, essa enfermidade pode evoluir para uma pneumonia. Ao contrário do resfriado, que progride lentamente, a gripe aparece de uma vez, mas em geral ela não persiste por mais do que uma semana.

 

 

Sinais e sintomas da gripe

  • Calafrio

  • Febre

  • Dor no corpo

  • Dor de cabeça e nos olhos

  • Sensação de ardor no peito

  • Coriza

  • Tosse

  • Congestão nasal

  • Náusea e vômitos (especialmente em crianças)

  • Fadiga

  • Fatores de risco

  • Imunidade baixa

  • Limpeza inadequada das mãos

  • Frequentar locais fechados e com muitas pessoas

 

Como prevenir

 

Como já falamos, crianças e outros grupos de risco devem se vacinar anualmente. Isso porque o vírus sofre mutações com o tempo — e a vacinação protege contra o tipo mais provável de se disseminar no ano em questão. O restante da população também pode se submeter às picadas (isso contribui inclusive para o vírus não se espalhar tanto).

 

Evitar locais fechados e cheios de pessoas, especialmente durante os meses mais frios, diminui os riscos de contágio. Além da vacina, um reforço com alguns tipos de alimentos na dieta pode ajudar.

 

 

Como tratar

 

 

Além do repouso (evitando esforço físico), é fundamental que a criança esteja sempre bem hidratada. Por isso, ofereça muito líquido (água, sucos naturais, água de coco). Para baixar a febre e aliviar as dores, o pediatra pode indicar medicamentos específicos, bem como descongestionante nasal se ele julgar necessário.

 

 

 

Se ocorrer falta de ar, respiração rápida, vômito e recusa alimentar, a procura ao médico deve ser imediata!

 

 

Influenza comum x H1N1 (Gripe A)

 

Gripe é toda infecção causada pelos vírus chamados Influenza. O H1N1 é um deles, e faz parte do tipo A. A única diferença é que os jovens, que não fazem parte do grupo de risco para a gripe comum, ficam mais suscetíveis a complicações por esse vírus. Isso não quer dizer, no entanto, que terão complicações mais graves só porque foram infectadas por esse vírus especificamente. O que acontece é que o H1N1, assim como os demais vírus Influenza, sofre mutações constantemente e pode combinar-se com outros vírus. Em 2009, ele se juntou a um vírus que circulava entre os porcos e foi isso que gerou a pandemia de gripe suína. Como esse vírus era até então penas entre os animais, os seres humanos não tinham a menor imunidade. Isso explica a gravidade da crise.

 

Gripe, resfriado ou alergia?

 

São todos diferentes. Os sintomas, por mais parecidos que sejam, são mais fortes na gripe. O resfriado comum pode ser causado por vários vírus, sendo os mais frequentes o rinovírus e o adenovírus – e não há vacina para eles. Já as alergias respiratórias são respostas do organismo a substâncias consideradas alérgenas – muitas vezes se confundem por apresentarem quatro dos principais sintomas de gripes e resfriados: coriza, espirros, prurido (mais ralo e incolor, ao contrário do produzido em casos de gripes e resfriados, mais amarelados ou esverdeados) e obstrução nasal. Ao contrário de gripes e resfriados, são causadas pelo contato direto com a substância que causa a irritação e não causam febre e mal-estar generalizado.

 

A vacinação é o primeiro passo para proteger-se e também proteger seus filhos. Não deixe que a gripe entre na sua casa!

Please reload

Colégio Atlântico